SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Atenção primária

Atenção primária

 

A  gerencia de atenção primaria  tem como missão institucional ampliar suas fronteiras de atuação visando uma maior resolubilidade da assistência básica de saúde, tendo a estratégia saúde da família como principal instrumento para consecução das metas estabelecidas na política nacional de saúde.

Objetivo

  • Cooperar, promover, programar, coordenar, realizar apoio  institucional e avaliar a organização e o desenvolvimento da atenção  básica nos municípios, nos aspectos gerencial e operacional;
  • Promover articulação intra e intersetorial com vistas ao cumprimento  de suas responsabilidades no campo da atenção básica, especialmente no tocante à promoção e à proteção à saúde, dando cumprimento, inclusive,  às normas e diretrizes preconizadas pelo Ministério da Saúde;
  • Realizar análise e emitir pareceres quanto ao atendimento de exigências  ou ao cumprimento de requisito para habilitação, desabilitação, adesão,  implantação e implementação de programas, projetos ou estratégias  de saúde;
  • Acompanhar sistematicamente a transferência de recursos destinados  ao financiamento da atenção básica;

Coordenar as ações da Diretoria propiciando uma visão interativa, multidisciplinar e participativa das atividades da atenção básica de saúde. Distribuição das regiões de saúde no estado.

NASF – Núcleo de Apoio à Saúde da Família

O NASF é uma equipe composta por profissionais de diferentes áreas de conhecimento, que devem atuar de maneira integrada e apoiando os profissionais das Equipes Saúde da Família, das Equipes de Atenção Básica para populações específicas, compartilhando as práticas e saberes em saúde nos territórios sob responsabilidade destas equipes.

Criado com o objetivo de ampliar a abrangência e o escopo das ações da atenção básica, bem como sua resolubilidade, o NASF deve buscar contribuir para a integralidade do cuidado aos usuários do SUS, principalmente por intermédio da ampliação da clínica, auxiliando no aumento da capacidade de análise e de intervenção sobre problemas e necessidades de saúde, tanto em termos clínicos quanto sanitários e ambientais dentro dos territórios.

  •  Visita e cooperação técnica aos municípios;
  • Monitoramento do SISAB;
  • Capacitação de profissionais;
  • Orientação e correção de projetos para implantação do serviço.

Municipios com PEC (Prontuário Eletrônico do Cidadão) 

De forma direta, o Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC) do Sistema e-SUS Atenção Básica é um software onde todas as informações clínicas e administrativas do paciente ficam armazenadas, no contexto da Unidade Básica de Saúde (UBS), tendo como principal objetivo informatizar o fluxo de atendimento do cidadão realizado pelos profissionais de saúde. O PEC é uma solução gratuita, desenvolvida e disponibilizada pelo Ministério da Saúde, em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina, capaz de otimizar o fluxo de atendimento das UBS, além de apoiar o processo de coordenação do cuidado do cidadão realizado pelas Equipes de Atenção Básica.

Agente Comunitário de Saúde

Oficialmente implantado pelo Ministério da Saúde em 1991, o então Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) teve início no fim da década de 80 como uma iniciativa de algumas áreas do Nordeste (e outros lugares, como o Distrito Federal e São Paulo) em buscar alternativas para melhorar as condições de saúde de suas comunidades. Era uma nova categoria de trabalhadores, formada pela e para a própria comunidade, atuando e fazendo parte da saúde prestada nas localidades.

Hoje, a profissão de agente comunitário de saúde (ACS) é uma das mais estudadas pelas universidades de todo o País. Isso pelo fato de os ACS transitarem por ambos os espaços – governo e comunidade – e intermediarem essa interlocução. O que não é tarefa fácil.

O agente comunitário de saúde tem um papel muito importante no acolhimento, pois é membro da equipe que faz parte da comunidade, o que permite a criação de vínculos mais facilmente, propiciando o contato direto com a equipe.

Telessaúde

O Programa de Telessaúde de Alagoas – desenvolve programas permanentes de capacitação e atualização de profissionais por meio do uso da telemática, considerando os seguintes aspectos: o treinamento de habilidades práticas, a avaliação de competência, a teleconsultoria, a segunda opinião formativa e a avaliação de mudança na prática, que é a certificação de competência.

Uma alta capacidade de resposta da Atenção Básica é fundamental para o funcionamento das redes de atenção à saúde, porque identifica situações que necessitam de atendimento especializado, garantindo o acesso aos demais níveis de complexidade do sistema. Neste sentido os recursos e tecnologias atuais podem constituir uma base para a organização e respostas pontuais a magnitude dos problemas de saúde. Daí a importância de Alagoas estar inserida no Programa Telessaúde Brasil Redes do Governo Federal.

Mais médicos 

O Programa Mais Médicos (PMM) é parte de um amplo esforço do Governo Federal, com apoio de estados e municípios, para a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Além de levar mais médicos para regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais, o programa prevê, ainda, mais investimentos para construção, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), além de novas vagas de graduação, e residência médica para qualificar a formação desses profissionais.

Assim, o programa busca resolver a questão emergencial do atendimento básico ao cidadão, mas também cria condições para continuar a garantir um atendimento qualificado no futuro para aqueles que acessam cotidianamente o SUS. Além de estender o acesso, o programa provoca melhorias na qualidade e humaniza o atendimento, com médicos que criam vínculos com seus pacientes e com a comunidade.

Programa academia da saúde

O programa Academia da Saúde, lançado em 2011, é uma estratégia de promoção da saúde e produção do cuidado que funciona com a implantação de espaços públicos conhecidos como polos do Programa Academia da Saúde. Esses polos são dotados de infraestrutura, equipamentos e profissionais qualificados. Como ponto de atenção no território, complementam o cuidado integral e fortalece as ações de promoção da saúde em articulação com outros programas e ações de saúde como a Estratégia da Saúde da Família, os Núcleos de Apoio à Saúde da Família e a Vigilância em Saúde.

  • Visita técnica aos municípios;
  • Monitoramento dos municípios com o programa;
  • Criação do Projeto Inclusão da Pessoa Idosa no Programa Academia da Saúde em parceria com o Programa Saúde do Idoso;
  • Oficina de Monitoramento e avaliação do Programa da Academia da saúde

Saúde bucal 

O Núcleo de Atenção à Saúde Bucal tem como missão institucional coordenar o processo de reorientação do modelo de atenção à saúde bucal dos usuários do SUS com ênfase nas ações de promoção e proteção da saúde, diagnóstico e tratamento de doenças, recuperação parcial ou total das capacidades perdidas.

  • Apoiar tecnicamente os municípios
  • Avaliar projetos municipais para implantação e/ou ampliação de Equipes de Saúde Bucal e CEO (Centro de Especialidades Odontológicas);
  • Realizar vistoria nos municípios que solicitam implantação de CEOs, Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias, mudanças de modalidades das Equipes e ampliação de equipes de saúde bucal;
  • Capacitar tecnicamente as Equipes de Saúde Bucal e CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) implantados;
  • Monitorar e dar apoio institucional às Equipes de Saúde Bucal-ESB, aos Centros de Especialidades Odontológicas-CEOs  e Laboratórios Regionais de Prótese Dentária- LRPD
  • Qualificar junto ao ministério da Saúde as Equipes de Saúde Bucal na Estratégia Saúde da Família e dos Centros de Especialidades Odontológicas;
  • Identificar indicadores eficazes para o desenvolvimento de uma política e estratégia de Promoção de Saúde Bucal;
  • Assessorar os municípios na pactuação dos indicadores;
  • Avaliar indicadores e parâmetros estaduais de Saúde Bucal
  • Elaborar relatórios à partir da análise dos indicadores pactuados.
  • Elaborar protocolos de Saúde Bucal.
  • Elaborar Projetos e articular parcerias com outras entidades e órgãos para a consolidação da estratégia de Promoção de Saúde Bucal: Elaborar formulários para avaliação, monitoramento e supervisão das Equipes de Saúde Bucal

CEO

Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) são estabelecimentos de saúde, participantes do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde – CNES, classificadas como Clínica Especializada ou Ambulatório de Especialidade. Os Centros de especialidades Odontológicas estão preparados para oferecer à população, no mínimo , os seguintes serviços:

  •  Diagnóstico bucal, com ênfase no diagnóstico e detecção do câncer de boca.
  •  Periodontia especializada
  • Cirurgia oral menor dos tecidos moles e duros
  • Endodontia
  • Atendimento a portadores de necessidades especiais

Laboratório prótese dentaria

Diante da demanda pelo serviço reabilitador protético e na perspectiva da assistência integral em saúde bucal, o Ministério da Saúde passou a financiar, desde 2005, o credenciamento de Laboratório Regional de Prótese Dentária. O LRPD é um estabelecimento que realiza o serviço de prótese dentária total, prótese dentária parcial removível e/ou prótese coronária/intrarradiculares e fixas/adesivas. 

Biblioteca de cadernos da atenção primária