SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Saúde da Criança

A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA CRIANÇA (PNAISC)


A Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) é considerada uma estratégia adequada para contribuir com a diminuição da mortalidade infantil no contexto de transição epidemiológica atual.
A estratégia da AIDPI estabelece para a atenção integrada, permitindo a garantia de uma adequada qualidade na avaliação, classificação, tratamento e acompanhamento das doenças e problemas que afetam a saúde dos menores de dois anos de idade. Desse modo, contribuirá para reduzir a mortalidade no recém-nascido, no lactente e na infância, diminuir a incidência de doenças e evitar o seu agravamento, assim como reduzir a ocorrência de sequelas ou complicações, melhorando as práticas de tratamento e atendimento.


Municípios com profissionais capacitados (médicos e enfermeiros) = 50


Maceió

Rio Largo

Marechal Deodoro

São Miguel dos Campos

Teotônio Vilela

São Luiz de Quitunde

Arapiraca

Santana do Ipanema

Delmiro Gouveia

União dos Palmares

agoa da Canoa

Maribondo

Pilar

Barra de Santo Antônio

Palmeira dos Índios

São Sebastião

Pariconha

Batalha

Coruripe

Junqueiro

Viçosa

Feira Grande

São José da Lage

Água Branca

Canapi

Atalaia

Capela

Flexeiras

Campo Alegre

Ibateguara

Matriz de Camaragibe

Branquinha

Inhapi

Anadia

Satuba

Quebrangulo

Porto Calvo

Penedo

Pão de Açúcar

Boca da Mata

Murici

Campo Alegre

Paulo Jacinto

Campestre

Joaquim Gomes

Estrela de Alagoas

Maragogi

Limoeiro de Anadia

Messias

Delmiro Gouveia

MÉTODO CANGURU


O Método Canguru é um modelo de assistência perinatal voltado para a melhoria da qualidade do cuidado, desenvolvido em três etapas conforme Portaria GM/MS nº 1.683, de 12 de julho de 2007 que: parte dos princípios da atenção humanizada; reduz o tempo de separação entre mãe e recém nascido e favorece o vínculo; permite um controle térmico adequado; contribui para a redução do risco de infecção hospitalar; reduz o estresse e a dor do recém-nascido; aumenta as taxas de aleitamento materno; melhora a qualidade do desenvolvimento neurocomportamental e psico afetivo do recém nascido; propicia um melhor relacionamento da família com a equipe de saúde; possibilita maior competência e confiança dos pais no cuidado do seu filho inclusive após a alta hospitalar; reduz o número de reinternações; e contribui para a otimização dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva e de Cuidados Intermediários Neonatais.

Hospitais com Método Canguru

Arapiraca: Hospital Regional de Arapiraca;

Maceió: Maternidade Escola Santa Mônica, Hospital Universitário

Penedo: Santa Casa de Misericórdia de Penedo

São Miguel dos Campos – Aguardando Vigilância Sanitária

TRIAGEM NEONATAL


Programa Nacional de Triagem Neonatal – PNTN É um programa de rastreamento populacional que tem como objetivo geral identificar distúrbios e doenças no recém-nascido, em tempo oportuno, para intervenção adequada, garantindo tratamento e acompanhamento contínuo às pessoas com diagnóstico positivo, com vistas a reduzir a morbimortalidade e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

 

No ano de 2001, o Ministério da Saúde, através da Secretaria de Assistência à Saúde, empenhou-se na reavaliação da Triagem Neonatal no SUS, o que culminou na publicação da portaria ministerial (Portaria GM/MS n.º 822, de 6 de junho de 2001) que criou o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN). Dentre os principais objetivos do programa, destacam-se a ampliação da gama de patologias triadas (Fenilcetonúria, Hipotireoidismo Congênito, Anemia Falciforme e outras Hemoglobinopatias, Fibrose Cística, Hiperplasia Adrenal Congênita, Deficiência de biotinidase, Galactosemia), busca da cobertura de 100% dos nascidos vivos e a definição de uma abordagem mais ampla da questão, determinando que o processo de Triagem Neonatal envolva várias etapas como: a realização do exame laboratorial, a busca ativa dos casos suspeitos, a confirmação diagnóstica, o tratamento e o acompanhamento multidisciplinar especializado dos pacientes.

Teste da Orelhinha ou Triagem Auditiva Neonatal

Um dos sentidos mais importantes para o desenvolvimento completo da criança é a audição. O bebê já escuta desde bem pequeno, antes mesmo de ser erguido pelo doutor em sua apresentação ao mundo. Isso acontece a partir do quinto mês de gestação, onde o bebê ouve os sons do corpo da mamãe e sua voz.
Assim fica mais fácil saber a importância do Teste da Orelhinha, ou Triagem Auditiva Neonatal (exame de Emissões Otoacústicas Evocadas), que é realizado já no segundo ou terceiro dia de vida do bebê, ainda na maternidade.

 

Esse exame consiste na colocação de um fone acoplado a um computador na orelha do bebê que emite sons de fraca intensidade e recolhe as respostas que a orelha interna do bebê produz.

 

O exame logo ao nascer é imprescindível para todos os bebês, principalmente àqueles que nascem com algum tipo de problema auditivo.

 

O Teste da Orelhinha é realizado com o bebê dormindo, em sono natural, é indolor e não machuca, não precisa de picadas ou sangue do bebê, não tem contraindicações e dura em torno de 10 minutos.

 

TESTE DO OLHINHO OU TESTE DO REFLEXO VERMELHO

É um exame que deve ser realizado rotineiramente em bebês na primeira semana de vida, preferencialmente antes da alta da maternidade, e que pode detectar e prevenir diversas doenças oculares.

 

O teste do olhinho é fácil, não dói, não precisa de colírio e é rápido (de dois a três minutos, apenas). Uma fonte de luz sai de um aparelho chamado oftalmoscópio, tipo uma “lanterninha”, onde é observado o reflexo que vem das pupilas. Quando a retina é atingida por essa luz, os olhos saudáveis refletem tons de vermelho, laranja ou amarelo.

 

TESTE DO CORAÇÃOZINHO OU OXIMETRIA DE PULSO

O teste do coraçãozinho pode até salvar a vida de bebês que nascem com defeitos cardíacos. Trata-se na verdade de uma pulseira que mede a concentração de oxigênio no sangue e que detecta problemas no coração antes mesmo de aparecerem sintomas. Levando menos de 5 minutos e deve ser feito ainda na maternidade.

 

A descoberta precoce de problemas cardíacos congênitos é muito importante para a realização de cirurgias rápidas e precisas. Sem esse teste o bebê pode receber alta sem que as anormalidades congênitas do coração fossem encontradas, o que poderia agravar sem auxilio médico.

 

Observações: Os resultados dos testes serão incluídos na CADERNETA DE SAÚDE DA CRIANÇA, a qual a criança já sai do estabelecimento de saúde onde nasceu portando a sua. Caso não receba até a alta hospitalar, procurar a Secretaria Municipal de Saúde.

 

TESTE DO PEZINHO

O exame laboratorial detecta precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas, que poderão causar alterações no desenvolvimento neuropsicomotor do bebê.
A coleta do sangue do teste do pezinho é feita rapidamente com um único furinho no calcanhar do bebê. O furo é quase indolor. O ideal é que o teste seja feito entre o 3º e o 5º dia de vida.

 

O teste do pezinho é obrigatório por lei em todo o Brasil e a simples atitude de se realizar o exame faz com que doenças causadoras de sequelas irreparáveis no desenvolvimento mental e físico da criança sejam detectadas e tratadas mesmo antes do aparecimento dos sintomas. Ou seja, O exame do pezinho é essencial para o desenvolvimento da saúde do seu bebê.

 

O diagnóstico precoce oferece condições de um tratamento iniciado nas primeiras semanas de vida do bebê, evitando a deficiência mental.

 

Documentos necessários:

Certidão de nascimento do RN,

Cartão SUS da mãe,

Cartão SUS da criança, que poderá ser providenciado nas Unidades de Saúde.

Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC)


A Iniciativa Hospital Amigo da Criança – IHAC – foi idealizada em 1990 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e pelo UNICEF para promover, proteger e apoiar o aleitamento materno. O objetivo é mobilizar os funcionários dos estabelecimentos de saúde para que mudem condutas e rotinas responsáveis pelos elevados índices de desmame precoce. Para isso, foram estabelecidos os Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno.

Hospitais com Hospitais Amigo da Criança

Arapiraca: Hospital Regional de Arapiraca;

Flexeiras: Hospital Elpídeo de Albuquerque Cavalcante;

Maceió: Hospital Nossa Senhora da Guia

Palmeira dos Índios: Maternidade de Santa Olímpia;

São Miguel dos Campos: Santa Casa de Misericórdia de São Miguel dos Campos;

União dos Palmares: Hospital São Vicente de Paula

Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil


A “Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no SUS – Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil”, lançada em 2012, tem como objetivo qualificar o processo de trabalho dos profissionais da atenção básica com o intuito de reforçar e incentivar a promoção do aleitamento materno e da alimentação saudável para crianças menores de dois anos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Essa iniciativa é o resultado da integração de duas ações importantes do Ministério da Saúde: a Rede Amamenta Brasil e a Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável (ENPACS), que se uniram para formar essa nova estratégia, que tem como compromisso a formação de recursos humanos na atenção básica.

Mulher Trabalhadora que Amamenta (MTA)


A estratégia de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta consiste em criar nas empresas públicas e privadas uma cultura de respeito e apoio à amamentação como forma de promover a saúde da mulher trabalhadora e de seu bebê, trazendo benefícios diretos para a empresa e para o país.

Hospitais com Hospitais Amigo da Criança

AMaceió: 03 Instituições: UNCISAL, Hospital Unimed, Santa Casa de Misericórdia de Maceió (Creche)

Rede Brasileira de Banco de Leite Humano (BLH)


A Rede Brasileira de Banco de Leite Humano é considerada a maior e mais complexa do mundo pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O Banco de Leite Humano (BLH) é responsável pela promoção do aleitamento materno e execução das atividades de coleta, processamento e controle de qualidade do leite produzido nos primeiros dias após o parto (o colostro), leite de transição e leite humano maduro, para posterior distribuição sob prescrição do médico ou nutricionista. É uma iniciativa oficializada em 1988 pela portaria 322, de 26 de maio de 1998, sendo voltada para a promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno e para a doação de leite humano para bebês prematuros e com baixo peso ao nascer.

Banco de Leite Humano

Arapiraca: Hospital Regional de Arapiraca

Maceió: Maternidade Escola Santa Mônica, Hospital Universitário

São Miguel dos Campos: Santa Casa de Misericórdia

Palmeiras dos Índios: Maternidade Santa Olímpia

 

Posto de Coleta:

Maceió: Hospital Nossa Senhora da Guia, Unidade Básica de Saúde Hamilton Falcão

Programa Nacional de Vitamina A


O Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A foi instituído por meio da Portaria nº 729, de 13 de maio de 2005, cujo objetivo é reduzir e controlar a deficiência nutricional de vitamina A em crianças de 6 a 59 meses de idade. Esse programa faz parte da Ação Brasil Carinhoso constante no Programa Brasil sem Miséria, que objetiva o combate à pobreza absoluta na primeira infância e reforça a assistência a criança menor de 5 anos para prevenção da deficiência de vitamina A, garantindo o acesso e disponibilidade do insumo a todas as crianças nessa faixa etária nas Regiões Norte e Nordeste e os municípios das Regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste contemplados no Programa Brasil sem Miséria.

Programa Bolsa Família


O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa federal de transferência direta de renda à famílias em situação de pobreza ou de extrema pobreza, com a finalidade de promover seu acesso aos direitos sociais básicos e romper com o ciclo intergeracional da pobreza. O Programa é realizado por meio de auxílio financeiro vinculado ao cumprimento de compromissos na Saúde, Educação e Assistência Social – condicionalidades.

 

O responsável técnico municipal do PBF na Secretaria de Saúde deve identificar a relação das famílias beneficiárias do seu município, as quais precisam ser acompanhadas pela saúde a cada vigência (janeiro a junho – 1ª vigência – e julho a dezembro – 2ª vigência). A identificação dessas famílias é realizada por meio do Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde no qual também se inserem as informações do acompanhamento e monitoram-se as ações e condicionalidades da Saúde.

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional


A avaliação contínua do perfil alimentar e nutricional da população e seus fatores determinantes compõe a Vigilância Alimentar e Nutricional (VAN). Recomenda-se que nos serviços de saúde seja realizada avaliação de consumo alimentar e antropometria de indivíduos de todas as fases da vida (crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes) e que estas observações possam ser avaliadas de forma integrada com informações provenientes de outras fontes de informação, como pesquisas, inquéritos e outros Sistemas de Informações em Saúde (SIS) disponíveis no SUS.

 

Para exercer a Vigilância Alimentar e Nutricional ampliada é importante a adoção de diferentes estratégias de vigilância epidemiológica, como inquéritos populacionais, chamadas nutricionais, produção científica, com destaque para a VAN nos serviços de saúde. Estas estratégias juntas irão produzir um conjunto de indicadores de saúde e nutrição que deverão orientar a formulação de políticas públicas e também das ações locais de atenção nutricional.

MATERIAIS INFORMATIVOS


Fale Conosco