SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

CAPS

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)


A Supervisão de Atenção Psicossocial do estado de Alagoas tem por objetivo contribuir para a implantação e a implementação da Rede de Atenção Psicossocial no Estado de Alagoas, conforme as diretrizes do SUS e da Política Nacional de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Tais políticas dispõem sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental, buscando instituir um cuidado humanizado para essas pessoas com transtornos mentais e usuários de álcool e outras drogas.

 

Os principais serviços já implantados no estado são os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), as Unidades de Acolhimentos (UA) e as Residências Terapêuticas. No estado de Alagoas estão habilitados 55 CAPS, distribuídos ao longo de todo território, entre CAPS I, CAPSII, CAPSad, CAPSi entre outros. Segue a baixo as especificidades de cada modalidade de CAPS:

 

CAPS I: atende pessoas com transtornos mentais graves e persistentes e também com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas de todas as faixas etárias. Serviço de atenção a saúde mental em municípios com população: de 20 mil até 70 mil habitantes.

 

CAPS II: atende pessoas com transtornos mentais graves e persistentes, podendo também atender pessoas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, conforme a organização da rede de saúde local, indicado para Municípios com população acima de 70 mil habitantes;

 

CAPS III: atende pessoas com transtornos mentais graves e persistentes. Proporciona serviços de atenção contínua, com funcionamento vinte e quatro horas, incluindo feriados e finais de semana, ofertando retaguarda clínica e acolhimento noturno a outros serviços de saúde mental, inclusive CAPS Ad, indicado para Municípios ou regiões com população acima de 200 mil habitantes;

 

CAPS AD: atende adultos ou crianças e adolescentes, considerando as normativas do Estatuto da Criança e do Adolescente, com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas. Serviço de saúde mental aberto e de caráter comunitário, indicado para Municípios ou regiões com população de 70 a 200 mil habitantes;

 

CAPS AD III: atende adultos ou crianças/adolescentes, considerando as normativas do Estatuto da Criança e do Adolescente, com necessidades de cuidados clínicos contínuos. Serviço com no máximo doze leitos para observação e monitoramento, de funcionamento 24 horas, incluindo feriados e finais de semana; indicado para Municípios ou regiões com população acima de 200 mil habitantes;

 

CAPS i : atende crianças e adolescentes e jovens (até 25 anos).com transtornos mentais graves e persistentes e os que fazem uso de crack, álcool e outras drogas. Serviço aberto e de caráter comunitário indicado para municípios ou regiões com população acima de 200 mil habitantes.

 

As Unidades de Acolhimento oferece cuidados contínuos de saúde, com funcionamento de vinte e quatro horas, em ambiente residencial, para pessoas com necessidade decorrentes do uso de crack, álcool e outras, de ambos os sexos, que apresentem acentuada vulnerabilidade social e/ou familiar e demandem acompanhamento terapêutico e protetivo de caráter transitório cujo tempo de permanência é de até seis meses. O acolhimento na Unidade de Acolhimento será definido exclusivamente pela equipe do Centro de Atenção Psicossocial de referência que será responsável pela elaboração do projeto terapêutico singular do usuário, considerando a hierarquização do cuidado, priorizando a atenção em serviços comunitários de saúde.

 

As Unidades de Acolhimento estão organizadas nas seguintes modalidades:

 

– Unidade de Acolhimento Adulto, destinados a pessoas que fazem uso do crack, álcool e outras drogas, maiores de dezoito anos;

– Unidade de Acolhimento Infanto-Juvenil, destinadas a adolescentes e jovens (de doze até dezoito anos incompletos).

 

Os Centros de Atenção Psicossocial, que é responsável pela indicação do acolhimento, pelo acompanhamento especializado durante este período e pelo planejamento da saída, em parceria com o Serviço de Atenção em Regime Residencial e pelo seguimento do cuidado após a saída do usuário de uma internação prolongada, bem como pela participação de forma ativa da articulação intersetorial para promover a reinserção do usuário na comunidade.

 

A Supervisão de Atenção Psicossocial do Estado de Alagoas tem monitorado e tem dado suporte a esses serviços que estão atuando no Estado, auxiliando sobre os modos de atuação dos profissionais e buscando articulação com a rede de saúde de seus municípios, priorizando a descentralização dos serviços em cada município.